Gurupi terá Centro de Monitoramento Ambiental e Manejo do Fogo



Com o objetivo de avançar, por meio de pesquisa e desenvolvimento científico, o conhecimento sobre o fogo e a dinâmica dos incêndios florestais, a Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh), em parceria com a Universidade Federal do Tocantins (UFT), campus de Gurupi, inaugura no dia 22 de novembro o Centro de Monitoramento Ambiental e Manejo do Fogo (CEMAF).
A estrutura física do Centro, que compreende uma área aproximada de 500 m², é localizada no campus da UFT de Gurupi, que também cede equipe de docentes e técnicos para as pesquisas e análises. A atuação do CEMAF compreende três áreas: Desenvolvimento (com laboratório experimental de análises químicas), Tecnologia (laboratório de análise de dados e imagens de satélite) e Capacitação (com sala disponível para reuniões, cursos e treinamentos).
De acordo com o coordenador do CEMAF, o professor da UFT Marcos Giongo, a intenção é desenvolver trabalhos técnico-científicos para suprir demandas principalmente na área de monitoramento ambiental. Segundo ele, a partir da análise de imagens de satélite será possível acompanhar problemas como o desmatamento e a dimensão das áreas queimadas no Estado nos períodos críticos. Ele ressalta que uma equipe de cerca de 40 pessoas deve atuar no CEMAF no processamento e análise de dados.


Centro de Monitoramento Ambiental CEMAF conta com sala de treinamento que poderá servir para capacitação debrigadistas para a atuação em campo no combate às queimadas
A parceria entre Semarh e UFT rendeu ao Centro um investimento de meio milhão de reais, recurso oriundo do Banco Mundial por meio do PDRIS (Projeto de Desenvolvimento Regional Integrado Sustentável), revertido em equipamentos de informática, um drone e um veículo. “A cooperação com a Semarh é importante em dois aspectos: o apoio na infraestrutura, com os equipamentos e o veículo, que amplia o potencial de processamento e armazenamento de dados e possibilita a pesquisa em campo; e o apoio técnico, por contribuir nas pesquisas dos acadêmicos da UFT e por utilizar a universidade como suporte para gerar informações”, afirma o professor Marcos.
Outra atividade do CEMAF será acompanhar as ações do MIF (Manejo do Fogo Integrado), realizado por meio do Projeto Cerrado-Jalapão, gerando dados para subsidiar as ações do projeto, direcionar políticas públicas e a gestão ambiental da Semarh. Além disso, a sala de treinamentos poderá servir, no futuro, para a capacitação de brigadistas para a atuação em campo no combate às queimadas.

 TOPOGRAFIA E AGRIMENSURA EM GURUPI E REGIÃO 
 
A secretária do Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Meire Carreira, considera que o trabalho realizado no Centro vai gerar dados sobre o fogo e embasar medidas adequadas nas políticas de gestão de incêndios florestais. “O objetivo desse Centro é criar uma referência avançada no monitoramento ambiental, voltada para capacitação e pesquisa, além de prevenção e controle das queimadas na nossa região”, destaca.

Meire ressalta ainda que está previsto ainda investimento na ordem de R$ 600 mil para o CEMAF: “Este recurso está sendo pleiteado junto à GIZ, do governo alemão, para que a gente possa ampliar a capacidade do Centro com a intenção de fomentar a pesquisa, empenhar esforços na capacitação – não só de brigadistas mas também a nível técnico – e também elaborar nossa política estadual do manejo integrado do fogo, que é uma necessidade e algo extremamente novo, não só na esfera estadual como também na federal”.

Seminário
A inauguração do CEMAF acontece dentro da programação do Seminário Regional sobre Manejo Integrado do Fogo: Resultados do Projeto Cerrado-Jalapão, que acontece nos dias 22 e 23 de novembro no campus de Gurupi da UFT. O evento é uma iniciativa conjunta do Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins), Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Semarh) e Instituto do Desenvolvimento Rural do Tocantins (Ruraltins) e apoiado pelo Ministério Federal do Meio Ambiente, Proteção da Natureza, Construção e Segurança Nuclear (BMUB) no âmbito de sua iniciativa internacional de proteção do clima (IKI) por meio da Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) e do KfW Development Bank e a Caixa.
Na ocasião, serão discutidos os resultados do Projeto Cerrado-Jalapão, considerando o território das ações, as diversas áreas temáticas que compõem o manejo integrado do fogo, bem como as diferentes formas de uso do fogo.

Fonte:atitudeto.com.br